sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Feliz Ano Novo, Feliz 2011!!!

Recomeçar- Carlos Drummond de Andrade



Recomeçar é dar uma nova chance a si mesmo…
é renovar as esperanças na vida e o mais importante…
acreditar em você de novo.
Sofreu muito nesse período?
foi aprendizado…
Chorou muito?
foi limpeza da alma…
Ficou com raiva das pessoas?
foi para perdoá-las um dia…
Sentiu-se só por diversas vezes?
é porque fechaste a porta até para os anjos…
Acreditou que tudo estava perdido?
era o início da tua melhora…
Pois é…agora é hora de reiniciar…de pensar na luz…
de encontrar prazer nas coisas simples de novo.
Que tal
Um corte de cabelo arrojado…diferente?
Um novo curso…ou aquele velho desejo de aprender a
pintar…desenhar…dominar o computador…
ou qualquer outra coisa…
Olha quanto desafio…quanta coisa nova nesse mundão de meu Deus te
esperando.
Tá se sentindo sozinho?
besteira…tem tanta gente que você afastou com o
seu “período de isolamento”…
tem tanta gente esperando apenas um sorriso teu
para “chegar” perto de você.
Quando nos trancamos na tristeza…
nem nós mesmos nos suportamos…
ficamos horríveis…
o mal humor vai comendo nosso fígado…
até a boca fica amarga.
Recomeçar…hoje é um bom dia para começar novos
desafios.
Onde você quer chegar? ir alto…sonhe alto… queira o
melhor do melhor… queira coisas boas para a vida… pensando assim
trazemos prá nós aquilo que desejamos… se pensamos pequeno…
coisas pequenas teremos…
já se desejarmos fortemente o melhor e principalmente
lutarmos pelo melhor…
o melhor vai se instalar na nossa vida.
Publicar postagem

E é hoje o dia da faxina mental…
joga fora tudo que te prende ao passado… ao mundinho
de coisas tristes…
fotos…peças de roupa, papel de bala…ingressos de
cinema, bilhetes de viagens… e toda aquela tranqueira que guardamos
quando nos julgamos apaixonados… jogue tudo fora… mas principalmente… esvazie seu coração… fique pronto para a vida… para um novo amor… Lembre-se somos apaixonáveis… somos sempre capazes de amar muitas e muitas vezes… afinal de contas… Nós somos o “Amor”…
” Porque sou do tamanho daquilo que vejo, e não do
tamanho da minha altura.”

Carlos Drummond de Andrade.

Feliz 2011



Bom dia!!!

O ano de 2010, foi um ano bom, ano de vitórias e realizações.
Temos que agradecer pois, realmente foi maravilhoso.
Cada área da nossa vida, foi fielmente planejada por Deus, e verdadeiramente vivemos 2010 na sua plenitude.
Porque Deus esteve presente, e já por isso , o ano foi bom.


Mas o ano de 2011 será melhor.

Viveremos o ano da multiplicação de Deus.
Esta será a palavra de profética, que será lançada em minha igreja,e eu te convido a viver dentro desta palavra.
O Senhor Jesus dizia a mim, que  o ano de 2011 será muito maior, que a dupla honra.
Pois, a dupla honra é 100 %. ou melhor 200% ( 100 do que você já tinha, mais o 100 que receberá)

Mas o ano de 2011 será maior....
Em Mateus 16:9-10

O Senhor lembra os discípulos, que anteriormente ele já tinha feito coisas grandiosas.
E que já fez uma grande multiplicação de 5 pães para 5.000 pessoas
e 7 pães para 4.000 pessoas e ainda sobraram pães nos cestos....

Dentro desta palavra , o Senhor fará para todos os que crerem um ano  de muito mais de 1.000%
pois 5 pães para 5.000 pessoas são realmente 1.000% e  ainda nos sobraram cestos....


Quero desejar a você, esta multiplicação......
Esta unção de multiplicação, em todas as áreas de sua vida.
Esta multiplicação de Deus,

1000% de todo o melhor de Deus.
1000% de todo o melhor desta terra.
1000% de vida abundante.
1000% de saúde.
1000% de paz
1000% de amor
1000% de Jesus.

Mas para isto acontecer, você deverá crer!
Deverá deixar Deus comandar sua vida.
Deverá deixar  sua vida ser moldado por Deus.
E continue crendo....pois o que Deus tem para você neste ano de 2011, é sério e maravilhoso.....


um grande abraço.

e FELIZ ANO NOVOOOOOOOOOOOO

PROVA NACIONAL PARA PROFESSORES

Primeira prova nacional para professores será em 2012, diz Haddad

Em entrevista ao iG, ministro indicado por Lula diz que Dilma não escolheria ninguém que não quisesse e fala sobre o futuro do MEC

 


Pronto para passar mais um Ano Novo em Brasília, o ministro da Educação, Fernando Haddad, garante que até gosta da época deserta da cidade – modificada pela posse presidencial de Dilma Rousseff este ano, que promete agitar este sábado, 1º de janeiro de 2011. Segundo ele, a última semana de todos os anos na capital é boa para “garimpar recursos no orçamento” para a área que lidera, a educação. “Sempre consigo algo. Até dia 31, estou com esperança”, disse, sorridente, em entrevista exclusiva ao iG.



 
Fernando Haddad está há sete anos no Ministério da Educação, cinco como ministro: "sou exceção"
Bacharel em direito, com mestrado em economia e doutorado em filosofia, Haddad está à frente do ministério desde julho de 2005. Antes, em 2004, havia sido secretário-executivo do então ministro Tarso Genro. Aos poucos, ganhou a confiança do presidente Luiz Inácio Lula da Silva com seu perfil técnico e exigente (segundo confirmam funcionários da Pasta). Em inúmeros eventos públicos, Lula fez questão de tecer elogios à atuação do ministro e garantir que as melhorias no ensino foram possíveis por conta do estilo Haddad de gerenciar.
Mesmo em momentos difíceis como na aplicação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em 2009, quando uma prova foi roubada, e na edição deste ano da avaliação, em que houve problemas gráficos nas provas, Lula saiu em defesa do pupilo. Em despeito das críticas, reclamações e especulações sobre a permanência de Haddad no cargo, Lula defendeu e aconselhou a presidenta eleita Dilma Rousseff a mantê-lo no Ministério da Educação. Para ele, Dilma não “aceitou” seu nome, mas o escolheu.
Para o novo período, Haddad diz que Dilma pediu atenção especial à valorização e melhorias na carreira dos professores. No início do ano, o ministro apresentará uma proposta que, para ele, deve mexer com o valor, o papel e a remuneração dos professores. Um documento com as características consideradas essenciais para um bom professor. Essa matriz servirá para a elaboração de uma prova nacional de concurso de ingresso na carreira docente. A primeira edição deve ocorrer no primeiro trimestre de 2012.
Em entrevista ao iG, Haddad disse que aguarda o aval dos técnicos para a aplicação de duas edições do Enem no ano que vem. Garantiu que não tem expectativas políticas para depois do governo Dilma e que não pretende ficar pouco tempo na pasta. “Não sinto isso como necessidade (candidaturas políticas depois)”, afirmou. “Eu opero por projeto, não por calendário”, disse.

Confira os trechos da entrevista:

iG: Quando o senhor assumiu o ministério quais eram seus objetivos?
Fernando Haddad: Eu tenho a felicidade de, em março de 2007, ter anunciado o Plano de Desenvolvimento da Educação na presença do presidente Lula e disse como a educação estaria ao final de seu governo. Se recuperar minha apresentação, você verá que nós cumprimos rigorosamente o que pactuamos com a sociedade. Houve processo forte de expansão e interiorização da rede federal para recuperar o papel da rede para o desenvolvimento social do País. Na educação básica, a centralidade que a qualidade ganhou com um sistema de avaliação por escola, divulgação dos resultados com transparência, fixação e cumprimento das metas. Tudo isso está feito.
iG: E quais são os planos do senhor para os próximos anos?
Haddad: A presidenta Dilma incorporou ao seu discurso a ideia de que temos de atuar da creche à universidade. Pode parecer uma obviedade, mas nem sempre foi assim. A política de foco e fragmentada prevalecia sobre uma visão abrangente e sistêmica. Espero que isso seja mantido. Entendo que há três questões a serem priorizadas. A primeira é a educação infantil, porque nunca houve uma atenção do MEC em relação à qualidade da oferta, só à quantidade. O segundo é a diversificação do ensino médio, que precisa se integrar com o trabalho, a cultura e o desporto. Na perspectiva da escola de tempo integral, a integração com essas áreas é essencial para oferecer perspectivas múltiplas de atendimento ao jovem. A escola não precisa ser padrão para ser excelente. Ele pode ter excelência e ser diversa, ser múltipla.


iG: O currículo precisa ser mais flexibilizado para permitir que os jovens optem mais livremente pelo que vão estudar?
Haddad: Penso que sim. O ensino médio inovador, em grande medida, vai nessa direção e ele está em curso como projeto piloto em 600 escolas. Eu penso que o jovem deve ter a oportunidade de ter um segundo turno de aulas no qual as questões de cultura, desporto e trabalho sejam centrais. Não pode ser uma duplicação do currículo.
iG: A União terá de contribuir muito para isso financeiramente?

Haddad: A União sempre tem de interferir. A indução exige inovação. Às vezes, a questão não é de recurso. O ProUni, programa de alcance extraordinário, não custou nada diante do alcance que ele tem. Nós apenas regulamentamos uma lei, as contrapartidas das isenções constitucionais. Nem sempre é preciso dinheiro. Às vezes, é necessária uma reforma institucional. Mas claro que, com mais recursos, podemos fazer muito mais.
iG: A presidente eleita fez algum pedido especial para a sua gestão à frente do ministério? 

Haddad: A questão do magistério está muito presente no discurso dela e na conversa dela comigo. Acredito que a mudança dos currículos é importante e está em curso, mas o ritmo deveria ser acelerado. Tomamos duas providências importantes e pouco discutidas. A primeira é que não é pouca coisa um país federativo fixar um piso nacional para a categoria na constituição, como fizemos. Em segundo, a União assumiu a responsabilidade pela formação gratuita dos professores, seja no Fies, na modalidade que o professor que trabalha em escola pública não paga o financiamento, seja nas universidades públicas. Isso precisa ser mais explorado. O calendário eleitoral impediu a divulgação disso. No ano que vem, queremos fazer uma forte publicidade para que os professores e os jovens que queiram ser professores tomem conhecimento que eles têm à formação.

iG: Com essas iniciativas, o senhor acredita que serão suficientes para mudar a imagem que a carreira tem entre os jovens? 

Haddad: Vamos anunciar no começo do ano a matriz de uma prova nacional de concurso para a carreira docente. Trabalhamos durante mais de dois anos nisso. Mandamos equipes para oito países no mundo para sabermos como funciona o processo de formação e de seleção de professores nesses países e concluímos que precisamos ter uma prova nacional de concurso para ingresso na carreira docente que sinalize o que se espera de um bom professor. A prova será aplicada a quem se interessar e, depois, os gestores poderão abrir editais para selecionar os docentes com as notas dessa prova. Queremos que os prefeitos e os governadores possam oferecer boas condições de carreira para atrair os melhores profissionais do Brasil. O prefeito tem pouco estímulo para reestruturar a carreira. Estamos dando as condições de eles mudarem o sistema de ensino. Essa prova vai incidir sobre as condições de carreira.



Haddad: professores serão prioridade durante governo Dilma
iG: O senhor acredita que ela vai influenciar também os cursos de graduação?
Haddad: Vai rebater na formação, evidentemente, a partir do momento que você define uma matriz que diz quais os conhecimentos que um professor deve ter. As provas têm esse fim. Os países com alto desempenho nos exames internacionais têm um excelente processo de ingresso à carreira e nós não temos isso. O estágio probatório é um expediente pouco explorado no Brasil, ao contrário do que deveria ocorrer. No caso do docente, isso é essencial. Muitas vezes você tem conhecimentos teóricos, mas a atividade exige vocação específica para o exercício da profissão. Tem um programa de incentivo à docência que está dando muito certo. Durante a licenciatura, o estudante, o professor universitário e o da escola que o recebe como estagiário recebem bolsas. A instituição formadora e a escola pública interagem na formação desse licenciando.Os resultados são extraordinários.

iG: A partir de quando a prova nacional vai funcionar?

Haddad: A matriz será colocar em discussão do comitê de governança no início do ano, que vai aprovar a matriz de conhecimentos que serão exigidos na prova. A partir daí, começaremos a elaboração dos itens e queremos aplicar a primeira edição no primeiro trimestre de 2012.

iG: O senhor acredita que, com isso, os melhores alunos serão atraídos para o magistério?

Haddad: É um processo. Estou surpreso com os depoimentos que recebo do programa de iniciação à docência. Ele está quebrando paradigmas. A interiorização das universidades também vai mexer nisso. As possibilidades para os jovens que querem exercer a profissão serão ampliadas.

iG: O novo Plano Nacional de Educação, que será discutido no Congresso em 2011, trouxe metas antigas e ainda difíceis de serem superadas pelo País, como o analfabetismo. É possível erradicá-lo? Seria preciso adotar algum tipo de incentivo financeiro para isso?

Haddad: Estamos falando de pessoas com idade média de 55 anos. É uma dívida que temos com a população que não teve oportunidade educacional na idade correta, mas realmente é uma tarefa muito complexa. Essa população está dispersa pelo território, mora no campo, tem idade avançada e problemas de visão. O esforço terá de combinado com ações fora as do MEC, mas tenho dúvidas sobre esse tipo de incentivo. A dificuldade esbarra em obstáculos que, muitas vezes, são instransponíveis para o indivíduo. Se não tivermos uma combinação de políticas, não dará certo. Mas estou confiante de que, em 2015, vamos reduzir a taxa para 6,7% em 2015.

iG: Olhando para trás, o senhor se arrepende de alguma decisão que tomou em relação ao Enem? Acredita que deveria ter esperado o banco de itens ser ampliado para lançar duas ou mais edições em um mesmo ano e evitar dores de cabeça? 

Haddad: Eu não vejo esses episódios com o grau de dramaticidade que a imprensa costuma reportar. Tivemos um episódio de falta de segurança em uma gráfica, que é a maior do País. O MEC adiou a prova para fazê-la com segurança e corrigiu um problema do setor privado. O episódio deste ano, de abrangência muito menor, com outra gráfica, que é uma multinacional com faturamento de US$ 20 bilhões no mundo, foi um equívoco causado por excesso de segurança. O procedimento que atrapalhou o controle de qualidade dos lotes foi a impressão das provas sem que o operador da máquina visse o que estava sendo impresso. O setor corrigiu um erro do setor privado novamente. Erros poderão acontecer em uma prova de escala como essa. Estamos em uma construção e essas gráficas vão se preparar melhor. Quanto mais concorrentes tivermos, melhor para contratação do poder público.

iG: No ano que vem já teremos duas edições do Enem?

Haddad: Falta uma reunião com os parceiros para que eles atestem a capacidade técnica de realizar duas edições. Em caso positivo, a decisão política está tomada. Se eles derem sinal verde, teremos duas edições. Quanto mais edições melhor.

iG: Nesses dois momentos, as críticas foram tão grandes e houve muita gente dizendo que o senhor não continuaria no ministério. O que o senhor sentiu?

Haddad: Fiquei um mês sem ler jornal, assistir TV e ouvir rádio. O que eu fazia era ligar no telefone 0800 do MEC, que recebe as reclamações. Perguntava como estavam as coisas e me diziam que não estava calmo. Então pensei, vamos resolver. O Brasil real está conectado pelo telefone com o Ministério da Educação. Então eu me desliguei do resto. Com o Brasil real, a questão era contornável.

iG: Podemos esperar outro Plano de Desenvolvimento da Educação para o ano que vem?

Haddad: Esse foi o nome que demos para o Plano Plurianual da Educação, que no ano que vem terá de ser refeito. O Plano Nacional da Educação terá de ser traduzido nos planos plurianuais da União, de Estados e de municípios.


iG: O presidente Lula pediu à Dilma que o senhor ficasse no ministério. O senhor se sentiu constrangido em algum momento, pensando se ela queria realmente que ficasse?

Haddad: Conhecendo a presidenta como eu conheço, eu convivo com ela há cinco anos, posso te garantir que uma coisa é ouvir a opinião, e ela fez questão de frisar que a opinião do presidente conta e pesa, mas eu tenho certeza de que a presidenta Dilma não tomou nenhuma decisão por constrangimento. Sobretudo no meu caso. Eu estou há sete anos no MEC, cinco e meio como ministro e eu já me programava para voltar para São Paulo.

iG: Os críticos dizem, em relação aos ministérios compostos por Dilma, que as escolhas foram feitas para pouco tempo. O senhor pretende ficar os quatro anos?

Haddad: Eu não entendo que as coisas funcionem assim.Em primeiro lugar, mudança ministerial é a coisa mais corriqueira do mundo em qualquer governo. Quantos ministros da Educação completaram um único mandato? Quatro, antes de mim. Eu estou no terceiro. Já estou na conta da exceção. Eu opero por projeto e não por calendário. O que está em pauta e qual o tempo de maturação do projeto é a dinâmica do governo que vai determinar.

iG: E o senhor esperava ter recebido mais apoio do PT para a sua permanência no cargo?

Haddad: Eu acompanhei isso pelos jornais. Isso nunca aparecia de maneira clara. Os comentários eram sempre anônimos e é muito difícil especular sobre essa questão. Não chegou ao meu conhecimento uma objeção de alguém, com nome e sobrenome. Isso não aconteceu em 2006, nem agora.

iG: O senhor foi cogitado para concorrer ao governo de São Paulo, não foi? Desistiu? O senhor não tem interesse nesse caminho?

Haddad: Foi mais especulação. Não fiz nenhum movimento para isso. Minha atenção nunca ficou voltada para isso. Nunca raciocinei nessas bases. Estou reiniciando um trabalho e acredito que a educação é um pouco incompatível com eleição. Particularmente, não acho uma combinação feliz. Não sinto isso como necessidade.

 

 

 

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010




Não vou começar com "mais um Natal..." Seria injusto apenas enfocar a passagem do tempo. O importante é que estamos aqui, fazendo a nossa história e espero que a estejamos fazendo o melhor possível.
A vida é injusta? É, sim! Às vezes, nos acontece algo que não entendemos? Sim, é verdade! Acontece... Mas, é preciso ter fé e, ao término, vamos nos apossar de uma compreensão que trará surpresa e alívio, tenho certeza.
Mas, enquanto este momento não chega? O que fazer?
Sentir a vida a cada passo, a cada segundo. Amar o que for possível e a quem estiver perto e necessitado. Viver, Senhor! Viver o agora, aproveitar cada graça que um dia nos traz, sem brigar com a vida, pois esta luta é inglória...
Natal!! Que venha o Natal e que nasça a esperança e que morra o tédio, que nasça a fé e que morra a depressão e a dor, nem que seja por algumas horas, "my sweet lord"...
Natal!! Que venha o Natal e que possamos olhar o que temos, em lugar de lamentar o que falta, apesar das perdas, valorizando o momento e fazendo uma trégua com a tristeza e com a dúvida...
Natal!! Que venha a festa da esperança e a comemoração do amor, do jeito que sabemos amar, com nossos defeitos e limitações, com nossos temores e forças.
Natal!! Que lembremos de celebrar a vida do jeito que ela é e não como gostaríamos que fosse, que nasça a paz em nossos corações, Senhor!
Natal!! Que a gente não se esqueça de celebrar a união e de conviver com todo amor que couber em nossa alma, pois são momentos como estes que iluminam a vida!
Feliz Natal e muito carinho para você!

RECOMEÇAR

 





Não importa onde você parou,
 em que momento da vida você cansou,
 o que importa é que sempre é possível e necessário "Recomeçar."

 Recomeçar é dar uma nova chance a si mesmo.
 É renovar as esperanças na vida
e o mais importante: acreditar em você de novo.

Sofreu muito nesse período?
 Foi aprendizado.

 Chorou muito?
 Foi limpeza da alma.

 Ficou com raiva das pessoas?

 
Foi para perdoá-las um dia.

 Sentiu-se só por diversas vezes?
É por que fechaste a porta até para os anjos.

 Acreditou que tudo estava perdido?
 Era o início da tua melhora.

 Pois é!
Agora é hora de iniciar,
 de pensar na luz,
 de encontrar prazer nas coisas simples de novo.
 Que tal um novo emprego?
 Uma nova profissão?
 Um corte de cabelo arrojado, diferente?
 Um novo curso, ou aquele velho desejo de aprender a pintar,
 desenhar, dominar o computador, ou qualquer outra coisa?

 Olha quanto desafio.
 Quanta coisa nova nesse mundão de Deus te esperando.

 Tá se sentindo sozinho?
 Besteira!
Tem tanta gente que você afastou com o teu "período de isolamento",
 tem tanta gente esperando apenas um sorriso teu para "chegar" perto de
você.


 
Quando nos trancamos na tristeza nem nós mesmos nos suportamos.
 Ficamos horríveis.
 O mal humor vai comendo nosso fígado,
 até a boca ficar amarga.

Recomeçar!
Hoje é um bom dia para começar novos desafios.
 Onde você quer chegar?
 Ir alto.
Sonhe alto, queira o melhor do melhor,
 queira coisas boas para a vida.
Pensamentos assim trazem para nós
 aquilo que desejamos.

 Se pensarmos pequeno, coisas pequenas teremos.
 Já se desejamos fortemente o melhor
 e principalmente lutarmos pelo melhor,
 o melhor vai se instalar na nossa vida.

 E é hoje o dia da Faxina Mental.

 Joga fora tudo que te prende ao passado,
 ao mundinho de coisas tristes,
 fotos,peças de roupas,
 papel de bala,
 ingressos de cinema,
 bilhetes de viagens,
 e toda aquela tranqueira que guardamos quando nos julgamos apaixonados.
 Jogue tudo fora.
 Mas, principalmente,

 esvazie teu coração.
 Fique pronto para a vida,
 para um novo amor.


 
Lembre-se somos apaixonáveis,
somos sempre capazes de amar
 muitas e muitas vezes.
 Afinal de contas,
 nós somos o "Amor".

    "Porque sou do tamanho daquilo que vejo,
    e não do tamanho da minha altura."

                                         ( Carlos Drummond de Andrade )

sábado, 27 de novembro de 2010

Plataforma Freire recebe inscrições para formação de professores até o dia 30

Clipping Educacional - Da Redação* Em São Paulo
Estão abertas até o dia 30 de novembro as pré-inscrições para formação inicial de professores que atuam na educação básica pública de todo o país. Para o primeiro semestre de 2011, a Plataforma Freire oferece 40 mil vagas em cursos de licenciatura presencial e 7 mil em cursos a distância, em instituições públicas (federais e estaduais) e comunitárias sem fins lucrativos.
É permitida apenas uma pré-inscrição em curso de formação inicial e o professor deverá estar cadastrado no Educacenso 2009 e na Plataforma Freire. De 1º de dezembro de 2010 até 7 de janeiro de 2011, as secretarias estaduais e municipais de educação validarão as pré-inscrições. Em seguida, enviarão as listas dos docentes escolhidos às instituições de educação superior de cada Estado.
A Plataforma Freire faz parte do Plano Nacional de Formação de Professores da Educação Básica (Parfor), gerido pela Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), em parceria com as secretarias de educação dos estados e dos municípios e as instituições públicas de ensino superior. O objetivo é melhorar a formação dos docentes em exercício na rede pública, o que influencia na qualidade do ensino que as crianças e os jovens recebem nas escolas.
Participam do Parfor 141 instituições de educação superior, de 25 estados, que oferecem cursos de licenciatura presenciais e a distância – estes, pela UAB (Universidade Aberta do Brasil).
*Com informações do MEC
fonte: http://educacao.uol.com.br

sábado, 6 de novembro de 2010

PROGRAMAS DE TV - PAULO FREIRE

Pensadores da Educação

Aqui você encontra informações a respeito de alguns pensadores da Educação. Além dos dados biográficos, é possível encontrar informações sobre os principais pensamentos do autor, acessar livros on line, assistir vídeos, ouvir entrevistas, visualizar fotos, além de conhecer um pouco mais sobre o pensador através dos links sugeridos.

Para acessar as informações, clique no autor desejado.

Século XVI
Século XVIII

Século XIX

Século XX

Faltam professores





Matéria publicada no jornal Folha de São Paulo, de 06/09/10


Está no ensino médio uma das principais deficiências da educação no Brasil. O rápido crescimento do acesso ao ensino fundamental nos anos 90 -que redundou na presença de quase todas as crianças entre 7 e 14 anos nos bancos escolares- não foi seguido na última década por igual ampliação da etapa secundária.
Ao contrário, desde 2001 pouco mudou a parcela de jovens entre 15 e 17 anos fora da escola -próxima dos 20%. E a taxa de desistência tem piorado. Cresceu de 15,8%, em 2003, para 18,7%, em 2008, segundo estudo da Fundação Getulio Vargas.
Ao mesmo tempo, constata-se um aumento preocupante no número de docentes que acumulam disciplinas no ensino médio. Há três anos, 7% dos professores lecionavam três ou mais matérias simultaneamente. Em 2009, eles representaram 21,5% do magistério.
A falta de docentes é reconhecida pelo poder público, sobretudo na área de exatas, embora dados do Ministério da Educação publicados nesta Folha indiquem um avanço relativo. Cresceu 84%, entre 2002 e 2009, o total de formados em licenciaturas de física, química, biologia e matemática.
Graduaram-se no ano passado quase 40 mil estudantes nessas quatro disciplinas, para as quais há um deficit de 100 mil docentes no país. Mas nada garante que os novos licenciados preencherão todas as vagas -os melhores entre eles podem concorrer a bolsas de mestrado, superiores a R$ 1.000, em vez de ensinar na rede pública, com piso de R$ 950 mensais.
O ciclo vicioso de desinteresse no ensino médio, que afasta professores e alunos das salas de aula, precisa ser rompido. Não será possível fazê-lo sem elevar o nível salarial dos docentes, para atrair bons profissionais. É necessário, além disso, treiná-los melhor, oferecendo aos professores técnicas capazes de tornar as aulas mais atrativas e eficazes.
Enquanto isso não acontece, perdem os alunos e o país, cuja economia já enfrenta falta de mão de obra qualificada.

Falta de educação



BRASÍLIA - Ao declarar como prioridades a saúde, o combate à violência e a infraestrutura, a presidente eleita Dilma Rousseff deixou a educação em segundo plano, justificando na entrevista de quarta: "Eu considero que a educação está muito bem encaminhada".
É surpreendente em si, mas ficou mais ainda no dia seguinte (ontem), quando a ONU anunciou o IDH (Índice de Desenvolvimento Humano de 2010). O Brasil é um dos dez países mais ricos do mundo, mas está em 73º lugar no IDH, entre 169 países. E o calcanhar de aquiles é justamente a educação.
Apesar de estar na categoria "alta" e com nota superior à mundial, o emergente Brasil tirou 0,699 e ficou abaixo da média da América Latina, que foi de 0,704. O Chile (45º lugar) e a Argentina (46º) foram os dois mais bem colocados da região, mas o Brasil também ficou atrás de Uruguai, Panamá, México, Trinidad e Tobago, Costa Rica e Peru. Está no nono lugar.
Como houve mudança de metodologia, não dá para comparar com o ano passado. E que nos perdoe o indiano Amartya Sen, Nobel de Economia e idealizador do ranking, mas toda pesquisa e todo indicador sempre dão margem para questionamentos, muxoxos, desdém.
Assim, a reação e o efeito do IDH dependem da ótica dos governos de plantão, principalmente quando são daqueles bons de marketing. Quando o resultado é a favor, copo cheio: o índice é perfeito. Se é contra, copo vazio: não vale nada.
Mas, já que Dilma está definindo nomes, programas e rumos para seu governo, deve estudar detalhadamente o IDH. Quem sabe assim não recoloca a educação ao lado de saúde, violência e infraestrutura?
A não ser que ela e Lula prefiram deixar o IDH pra lá e se fixar num outro ranking: o da revista "Forbes", que coloca Dilma em 16º lugar entre as pessoas mais influentes do mundo, à frente mesmo de Hillary Clinton e de Nicolas Sarkozy. E ela nem tomou posse ainda!

De cada 5 eleitores, 1 não foi à escola ou é analfabeto

 

ANGELA PINHO/FERNANDA ODILLA
Clipping Educacional - DE BRASÍLIA



A cada cinco pessoas aptas a votar neste ano, uma é analfabeta ou nunca frequentou uma escola.
São, ao todo, 27 milhões de eleitores nessa situação no cadastro do TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Desses, 8 milhões são analfabetos e 19 milhões declararam saber ler e escrever, mas nunca estiveram numa sala de aula. No total, há 135,8 milhões de eleitores no país em 2010.
A pior situação é no Nordeste: enquadram-se em um desses grupos 35% dos eleitores. No Sudeste, são 12%.
Os dados de escolaridade do TSE são uma estimativa, já que são fornecidos pelos eleitores no momento em que eles vão tirar o título e só atualizados caso ocorra uma revisão do cadastro.
O percentual de eleitores que nunca frequentaram a escola caiu de 23,5% na última eleição presidencial, em 2006, para 20,5% neste ano.
O voto das pessoas com menos instrução e menos informação tende a ter menos ideologia e mais personalismo, diz o cientista político Fábio Wanderley Reis, professor emérito da Universidade Federal de Minas Gerais.
Por isso, diz, Dilma Rousseff (PT) é quem tem mais condições de angariar votos desse grupo, uma vez que se beneficia da associação com a imagem do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
Reis ressalva, por outro lado, que também têm grande influência os programas sociais e o aumento da renda dos mais pobres.
Por ora, o quadro ainda é homogêneo entre os candidatos. Na última pesquisa Datafolha, há três semanas, a petista tinha 20% das intenções de voto entre os eleitores com escolaridade até o ensino fundamental, contra 16% de José Serra (PSDB).
O tucano, por sua vez, tinha três pontos de vantagem entre aqueles com nível superior. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.
CANDIDATOS
Nas eleições deste ano, o analfabetismo não é exclusividade dos eleitores. Saber ler e escrever é uma exigência da Justiça para disputar a eleição, mas, ainda assim, cinco candidatos declararam ao TSE serem analfabetos.
Até 2004, os que se diziam analfabetos faziam uma prova para ter o grau de instrução avaliado. A partir de 2006, eles são chamados a fazer, no tribunal, declaração de próprio punho, afirmando que sabem ler e escrever.

Brincadeira ajuda no desenvolvimento saudável das crianças

08queimadaO ato de brincar contribui para o desenvolvimento saudável e equilibrado dos pequenos. Mais do que uma simples diversão, o lazer é uma forma da criança pesquisar, aprender e descobrir novas possibilidades, além de experimentar papéis sociais diferentes e ampliar a interação com os outros.
Especialistas garantem que a brincadeira ajuda a formar adultos menos violentos e pessoas mais criativas. A assistente social e coordenadora da Associação Brasileira pelo Direito de Brincar, Marilena Flores Martins, explica que a brincadeira traz diversas vantagens. Nela, são trabalhados conceitos como limites, regras, direitos e deveres, que são questões presentes em qualquer aspecto da vida. Quando a criança respeita isso na hora da diversão, aprende a respeitar também em seu cotidiano.
Para a coordenadora, aqueles que brincam, especialmente na primeira infância, período que vai do nascimento aos seis anos, desenvolvem melhor suas habilidades sociais. 

Direito- O direito à brincadeira e ao lazer ainda não é integralmente respeitado no Brasil, apesar de ser um direito assegurado pelo artigo 227 da Constituição.
O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) expressa como parte do direito à liberdade brincar, praticar esportes e divertir-se. Assim, colaborar para que as crianças tenham acesso à brincadeira não é dever apenas dos governos e dos pais, mas também de todos os cidadãos.
Atuar para que esse direito seja assegurado é colaborar para o cumprimento das leis.

Para Unesco, situação do professor é crítica

O estudo “Professores do Brasil: Impasses e desafios”, patrocinado pela Organização das Nações Unidas para a Educação e a Cultura (Unesco) mostra que  cerca de 3 mil professores no país têm baixos salários e formação deficiente. Segundo o levantamento, elaborado pelas professoras Bernardete Angelina Gatti e Elba Siqueira de Sá Barreto, metade ganha menos de R$ 720.
professor2No Nordeste, a realidade salarial é pior ainda: 50% do professorado ganham menos de R$ 450. Pelos dados, coletados na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2006, constata-se que escolas públicas pagam melhor que particulares. O salário mediano para o ensino médio é de R$ 1.300 nas públicas e de R$ 1.000 nas privadas. No ensino fundamental, de R$ 745 nas públicas e R$ 525 nas privadas, enquanto no ensino infantil é de R$ 568 (públicas) e R$ 400 (privadas).
 Responsável pela concepção e supervisão do projeto, o professor Célio da Cunha, assessor especial da Unesco no Brasil, elogia os esforços do governo federal que resultaram no Piso Nacional de Salários dos professores, de R$ 950, mas não respeitado em todos os estados. Para ele políticas desse tipo precisam ter continuidade, não só no plano federal, mas também nos planos estaduais e municipais. “Estados e municípios têm autonomia e nem sempre respondem a esses esforços do governo”, diz.

TROQUE UM PARLAMENTAR POR 344 PROFESSORES

Gente, recebi esse mail e compartilho agora com vocês. Eu adorei a ideia. Apesar de ainda acreditar na política e achar que temos bons parlamentares. Mas, pensando bem, olha o salto de qualidade que daríamos na educação com essa proposta abaixo:
“Prezado amigo!
Sou professor de Física, de ensino médio de uma escola pública em uma cidade do interior da Bahia e gostaria de expor a você o meu salário bruto mensal: R$650,00

Eu fico com vergonha até de dizer, mas meu salário é R$650,00. Isso mesmo! E olha que eu ganho mais que outros colegas de profissão que não possuem um curso superior como eu e recebem minguados R$440,00. Será que alguém acha que, com um salário assim, a rede de ensino poderá contar com professores competentes e dispostos a ensinar?
Não querendo generalizar, pois ainda existem bons professores lecionando, atualmente a regra é essa: o professor faz de conta que dá aula, o aluno faz de conta que aprende, o Governo faz de conta que paga e a escola aprova o aluno mal preparado. Incrível, mas é a pura verdade! Sinceramente, eu leciono porque sou um idealista e atualmente vejo a profissão como um trabalho social. Mas nessa semana, o soco que tomei na boca do estomago do meu idealismo foi duro!
Descobri que um parlamentar brasileiro custa para o país R$10,2 milhões por ano. São os parlamentares mais caros do mundo. O minuto trabalhado aqui custa ao contribuinte R$11.545.
Na Itália, são gastos por ano com um parlamentar R$3,9 milhões, na França, pouco mais de R$2,8 milhões, na Espanha, cada parlamentar custa R$850 mil e na vizinha, Argentina, R$1,3 milhões.
Trocando em miúdos, um parlamentar custa ao país, por baixo, 688 professores com curso superior !
Diante dos fatos, gostaria muito, amigo, que você divulgasse minha campanha, na qual o lema será:

‘TROQUE UM PARLAMENTAR POR 344 PROFESSORES’.”

EJA terá idade mínima

O Conselho Nacional de Educação (CNE) vai fixar uma idade mínima para a Educação de Jovens e Adultos (EJA), curso que corresponde ao antigo supletivo.
De acordo com o conselheiro César Callegari, para cursar o equivalente ao ensino fundamental será preciso ter pelo menos 15 anos e, para o ensino médio, 18.
O objetivo da medida, diz o conselheiro, é assegurar o direito de crianças e adolescentes de até 17 anos a uma educação regular e à convivência com pessoas da mesma idade.
O censo educacional mais recente feito pelo Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), de 2008, mostra que há 135 mil alunos de até 14 anos em cursos de educação de jovens e adultos.

Educação é desafio para o próximo governo




Em artigo publicado no jornal O Globo, o conselheiro do movimento Todos pela Educação, Mozart Neves Ramos, falou sobre os rumos a serem tomados pelo próximo governo no âmbito do ensino.
Segundo ele, erradicar o analfabetismo das crianças de até 8 anos é um ponto central e estratégico, uma vez que muitos meninos e meninas chegam ao final das séries iniciais do ensino fundamental sem saber ler e escrever adequadamente.
O Conselheiro sugere a criação de um indicador nacional de alfabetização para crianças nessa faixa etária e de um pacto nacional pela valorização do professor.
Tal pacto, segundo ele, terá que partir da Presidência da República, já que a dimensão política da questão não é simples e o que se vê, de acordo com pesquisas, é que os melhores alunos não querem ser professores e veem a carreira sem prestígio social.
Mozart Neves Ramos cita que os países que estão hoje no topo da educação mundial tornaram o magistério um objeto de desejo, atraindo 20% dos jovens mais bem qualificados do ensino médio para essa profissão.
Para o especialista, salário e carreira são dois aspectos primordiais para a valorização do professor e, logo, para a melhoria da educação no País.
Fonte: O Globo (RJ)

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

A VERDADE ESTÁ NA CARA, MAS NÃO SE IMPÕE



(ARNALDO JABOR)

O que foi que nos aconteceu?
No Brasil, estamos diante de acontecimentos inexplicáveis, ou melhor,'explicáveis' demais.
Toda a verdade já foi descoberta, todos os crimes provados, todas as mentiras percebidas.
Tudo já aconteceu e nada acontece. Os culpados estão catalogados, fichados, e nada rola.
A verdade está na cara, mas a verdade não se impõe. Isto é uma situação inédita na História brasileira!!!!!!!
Claro que a mentira sempre foi a base do sistema político, infiltrada no
labirinto das oligarquias, mas nunca a verdade foi tão límpida à nossa frente e, no entanto, tão inútil, impotente, desfigurada!!!!!!!!
Os fatos reais: com a eleição de Lula, uma quadrilha se enfiou no governo e desviou bilhões de dinheiro público para tomar o Estado e ficar no poder 20 anos!!!!
Os culpados são todos conhecidos, tudo está decifrado, os cheques assinados, as contas no estrangeiro, os tapes, as provas irrefutáveis, mas o governo psicopata de Lula nega e ignora tudo !!!!!
Questionado ou flagrado, o psicopata não se responsabiliza por suas ações.
Sempre se acha inocente ou vítima do mundo, do qual tem de se vingar.
O outro não existe para ele e não sente nem remorso nem vergonha do que faz!!
Mente compulsivamente, acreditando na própria mentira, para conseguir poder.
Este governo é psicopata!!! Seus membros riem da verdade, viram-lhe as costas, passam-lhe a mão nas nádegas. A verdade se encolhe humilhada, num canto. E o pior é que o Lula, amparado em sua imagem de 'povo', consegue transformar a Razão em vilã, as provas contra ele em acusações 'falsas', sua condição de cúmplice e Comandante em 'vítima'!!!!!
E a população ignorante engole tudo. Como é possível isso?
Simples: o Judiciário paralítico entoca todos os crimes na Fortaleza da lentidão e da impunidade. Só daqui a dois anos serão julgados os indiciados - nos comunica o STF. Os delitos são esquecidos, empacotados, prescrevem. A Lei protege os crimes e regulamenta a própria desmoralização Jornalistas e formadores de opinião sentem-se inúteis, pois a indignação ficou supérflua. O que dizemos não se escreve, o que escrevemos não se finca, tudo quebra diante do poder da mentira desse governo.
Sei que este é um artigo óbvio, repetitivo, inútil, mas tem de ser escrito....
Está havendo uma desmoralização do pensamento.
Deprimo-me:
Denunciar para quê, se indignar com quê? Fazer o quê?'
A existência dessa estirpe de mentirosos está dissolvendo a nossa língua..
Este neocinismo está a desmoralizar as palavras, os raciocínios. A língua portuguesa, os textos nos jornais, nos blogs, na TV, rádio, tudo fica ridículo diante da ditadura do lulo-petismo.
A cada cassado perdoado, a cada negação do óbvio, a cada testemunha, muda, aumenta a sensação de que as idéias não correspondem mais Aos fatos!!!!!
Pior: que os fatos não são nada - só valem as versões, as manipulações.
No último ano, tivemos um único momento de verdade, louca, operística, grotesca, mas maravilhosa, quando o Roberto Jefferson abriu a cortina do país e deixou-nos ver os intestinos de nossa política.
Depois surgiram dois grandes documentos históricos: o relatório da CPI dos Correios e o parecer do procurador-geral da república. São verdades cristalinas, com sol a Pino.
E, no entanto, chegam a ter um sabor quase de 'gafe'.
Lulo-Petistas clamam: 'Como é que a Procuradoria Geral, nomeada pelo Lula, tem o desplante de ser tão clara! Como que o Osmar Serraglio pode ser tão explícito, e como o Delcídio Amaral não mentiu em nome do PT ? Como ousaram ser honestos?'
Sempre que a verdade eclode, reagem.
Quando um juiz condena rápido, é chamado de exibicionista'. Quando apareceu aquela grana toda no Maranhão (lembram, filhinhos?), a família Sarney reagiu ofendida com a falta de 'finesse' do governo de FH, que não teve a delicadeza de avisar que a polícia estava chegando...
Mas agora é diferente.
As palavras estão sendo esvaziadas de sentido. Assim como o stalinismo apagava fotos, reescrevia textos para contestar seus crimes, o governo do Lula está criando uma língua nova, uma neo-língua empobrecedora da ciência política, uma língua esquemática, dualista, maniqueísta, nos preparando para o futuro político simplista que está se consolidando no horizonte.
Toda a complexidade rica do país será transformada em uma massa de palavras de ordem , de preconceitos ideológicos movidos a dualismos e oposições, como tendem a fazer o Populismo e o simplismo..
Lula será eleito por uma oposição mecânica entre ricos e pobres, dividindo o país em 'a favor' do povo e 'contra', recauchutando significados que não dão mais conta da circularidade do mundo atual. Teremos o 'sim' e o'não', teremos a depressão da razão de um lado e a psicopatia política de outro, teremos a volta da oposição Mundo x Brasil, nacional x internacional e um voluntarismo que legitima o governo de um Lula 2 e um Garotinho depois.
Alguns otimistas dizem:
'Não... Este maremoto de mentiras nos dará uma fome de Verdades'!
ESSE TEXTO PRECISA E DEVE SE TRANSFORMAR NA MAIOR CORRENTE QUE A INTERNET JÁ VIU !!!



O artigo foi inscrito pelo jornalista Arnaldo Jabor e foi motivo de censura por parte do TSE, a pedido de Lula. O artigo original foi postado no Blog de Jabor na rádio CBN e agora espalhou-se nos e-mails do Brasil todo.

 
 
 
HOJE É DIA DE FESTA
( assim espero )
Jorge Linhaça
 
 
Durante a votação do primeiro turno não tivemos grandes incidentes, uma ou outra boca de urna, bebedeira, bate-bocas, enfim, nada que desmerecesse o processo eleitoral. 
Espero que ao fim deste segundo turno as coisas continuem da mesma forma.
 
Alguns vão comemorar a vitória de seu candidato e outros não, isso faz parte do processo democrático, por mais "poluído" que o mesmo tenha sido nestas eleições. De qualquer maneira tudo faz parte do amadurecimento de uma democracia que mal entra em sua adolescência.
 
Ao menos temos o direito de votar e, pelo voto, escolher nossos governantes...só é uma pena que ainda não haja deseleições a cada dois anos para nos livrarmos daqueles que não correspondem à nossa espectativa.Quem sabe um dia a idéia vinga?
 
Independente da vitória de A ou B, teremos a opotunidade de comemorar mais uma eleição realizada pelo sufrágio universal, temos a comemorar a nossa liberdade de escolha ao contrário do que aconteceu por muitos anos neste país, quando as eleições diretas foram proibidas para que o poder não pudesse emanar diretamente do povo. Há quem tenha saudades disso, eu não sinto nenhuma...
 
Este ano, mais do que o resultado das urnas, temos a comemorar a vitória da sociedade como um todo, temos a comemorar o Ficha Limpa, que alguns "candidatos" tentaram usurpar para si mas que emanou da sociedade, disparou na internet e agregou pessoas de todos os partidos políticos.
Ser ou não relator do projeto , que foi um projeto popular, não é mérito que alguém possa auferir para si...ninguém seria louco de barrar o projeto...
 
Enfim, se ainda não atingimos o estágio ideal da democracia, por certo demos mais alguns passos em sua direção. Por mais que nossas opções sejam diferentes em termos de candidatos, pro mais que tenham havido debates ( e infelizmente, embates) isso só faz com que, juntos, aprendamos a entender, ou pelo menos saber, o posicionamento dos demais.
 
Infelizmente há aqueles , de ambos os lados , presumo, que na falta de argumentos sólidos partem para agressões pessoais...mas faz parte.
Assim como infelizmente há aqueles que , por você votar em outro candidato te eliminam da lista de amigos...paciência.
 
Claro que vou torcer para que minha escolha seja a da maioria, porque acredito que seja a menos pior hoje
.
Se o candidato adversário ganhar paciência...resta-me torcer, do fundo do coração, para que ele surpreenda-me positivamente e mude sua maneira de agir na politica e na economia.
 
Jamais vou torcer contra o Brasil, nem desejar que uma imensa crise às vésperas de eleições causem um estrago em nossas vidas.
 
Jamais vão me ver pedir canhões na rua apenas por não concordar com o resultado de uma eleição...
 
Acho que esse tempo já passou e não deixou saudades na maioria das pessoas de bem.
 
Aliás, uma coisa precisa ficar clara...concorde comigo quem quiser...pessoas do bem ou de bem existem em todas as classes sociais, não são necessáriamente pessoas de bens..
.
Pessoas boas e honestas existem em todos os partidos...Pessoas pobres existem também em todos os partidos, torcendo por seus candidatos...
 
Pessoas "intelectuais" existem em todos os partidos.
Graduados,Mestres, Doutores...existem em todos os partidos.
 
Portanto é de um mau gosto ou falta de conhecimento incríveis, dizer que os eleitores adversários  votam com o estômago( são todos famélicos, miseráveis)...é como dizer...eu tenho comida, eu voto com a razão e coração...pobre não come , portanto não tem coração nem razão...vende voto por comida....
É como o Jereissat que nos brindou com esta pérola..." eu ando de jatinho porque eu posso "...
 
É preciso pensar para falar...repetir lugares comuns ouvidos aqui e acolá, em e-mails raivosos, não ajuda em nada na comunicação.
 
Eu e milhões de brasileiros não somos "mortos de fome" que pensam com o estômago, felizmente estamos bem acima da linha de miséria, eu e muitos milhares temos curso universitário, portanto não somos abalfabetos..
Se alguém perguntar pelo meu diploma eu tenho pra mostrar...formei-me aqui no Brasil...aliás nem preciso mostrá-lo, ele é registrado no MEC...
 
Esse tipo de afirmação, tentando ligar ignorância e pobreza a este ou aquele candidato e a capacidade econômica e intelectual a outro, é apenas uma tentativa desesperada de tentar reunir os votos daqueles que se acham mais qualificados que os demais.
 
Só esquecem que o voto do seu faxineiro, do lixeiro, do porteiro do seu prédio ou condominio, vale tanto quanto o seu próprio voto...
 
Não existe cesta de tres pontos nas eleições...cada voto vale um ponto...seja ele dado pelo presidente de uma empresa ou pelo office-boy
 
Essa é a beleza, que muitos ainda não entenderam, do processo democrático: Todos nós somos iguais perante as urnas.A urna não sabe quem é rico ou pobre, instruido ou analfabeto, apenas registra a soma de nossas vontades e é dessa soma de vontades que elegem-se nossos representantes.
 
Podemos hoje dizer que " o sol da liberdade em raios fúlgidos brilhou no céu da patria neste instante". Somos livres para escolher sem que ninguém nos enfie um candidato goela abaixo através de eleições indiretas...Somos livres para acertar ou errar a cada eleição...somos livres para aprender ou não com isso.
Infelizmente, ainda falta-nos a liberdade de o voto não ser obrigatório, mas, quem sabe um dia algum legislador acorde, não é mesmo? 
 
Abraços fraternos aos vencedores e vencidos nas urnas pois no fim, somos todos vencedores pois podemos exercer nossa liberdade de escolha.
 
Jorge Linhaça
 
 
                 
 
Contatos com o autor

domingo, 24 de outubro de 2010

sábado, 23 de outubro de 2010

Como extrair o audio de um vídeo???

Semana passada estava procurando uma música bem bonita para um projeto de criação de um DVD para o dia das mães. No site youtube, encontrei várias músicas lindas, mas com aquelas imagens carregadas, tentei extrair a musica do vídeo usando o vlc só que não ficou legal, então, resolvi pesquisar um aplicativo gratuito para ripar a música do vídeo.
Encontrei algumas sugestões, mas gostei mesmo foi do "YouTube to MP3 Converter", super leve e fácil de usar .


Basta você copiar a URL e colar na caixa acima, escolher uma pasta para salvar o arquivo de áudio e selecionar o formato.
Baixei o programa, instalei e extrair a música do video super rápido.

Clique na imagem acima para baixar o programa...

O Itaú cultural está distribuindo gratuitamente milhões de livros.


Desde o dia 11 de outubro o Itaú cultural está distribuindo gratuitamente milhões de livros.
Porque acredita que incentivar o gosto pela leitura é um bom caminho para o desenvolvimento
completo das crianças e fundamental para o crescimento do pais.
A coleção Itaú de livros infantis é feita de quatro volumes, para você ler e reler com seus filhos,
sobrinhos, netos ou alunos.

Faça o pedido da coleção clicando aqui.

O Conselho Nacional de Justiça lançou uma cartilha para combater o bullying nas escolas.

Cartilha de combate ao bullying do Conselho Nacional de Justiça ajuda pais e escola


O Conselho Nacional de Justiça lançou na quarta-feira (20) uma cartilha para ajudar pais e educadores a prevenir o problema do bullying nas suas comunidades e escolas. O material está disponível gratuitamente na internet.
 
A cartilha contém 15 tópicos que tratam desde a definição do bullying e suas manifestações, até como os pais e educadores podem lidar com os casos. Um dos temas ajuda a identificar se a criança está sofrendo o assédio a partir de seu comportamento em casa e na escola.
A publicação é de autoria da médica psiquiatra Dra. Ana Beatriz Barbosa Silva, que também escreveu o livro “Bullying: Mentes Perigosas nas Escolas” sobre o mesmo tema. O lançamento foi feito durante o seminário Projeto Justiça na Escola, que acontece esta semana na Escola de Magistratura Federal (ESMAF), em Brasília.
fonte: http://educacao.uol.com.br

A cartilha foi criada para profissinais envolvidos com a educação, além da família. A cartilha tem como objetivo ensinar a identificar no estudante sinais de violência física ou psicológica, mostrando também como o agressor escolhe a vítima.

Fonte: CNJ - Conselho Nacional de Justiça

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

O Ensino Brasileiro



É a nossa dura realidade: o ensino no Brasil é um dos piores do mundo, tanto em escolas públicas quanto em particulares. E o que os brasileiros pensam disso? Que está tudo ótimo! É isso aí, uma pesquisa encomendada pela revista VEJA à CNT/Sensus mostra como estamos alheios à luta pela qualidade das escolas brasileiras.

Em pleno século XXI, as pessoas acham que as escolas públicas brasileiras são boas porque oferecem merenda e livros didáticos de graça. Mas nossas escolas não estão nem um pouco preparadas para formar cidadãos pra esse século. Estamos novamente ignorando o presente e dizendo que “somos o país do futuro”.

De acordo com a pesquisa...

Os professores disseram que o ensino em 60% das escolas públicas e 94% das escolas particulares é ótimo. Os pais disseram algo parecido, 63% das escolas públicas e 92% das escolas particulares teriam um ensino ótimo. E os alunos também aprovaram suas escolas, para eles 68% das públicas e 93% das particulares são exemplos na área de ensino.

90% dos professores disseram que estavam bem preparados para dar aulas. Os professores também disseram que 58% das escolas públicas e 77% das particulares preparam os alunos ADEQUADAMENTE para o futuro! Os alunos concordam com seus professores e acham que 61% das escolas públicas e 86% das particulares os preparam adequadamente para o futuro.

Na pesquisa realizada pela CNT/Sensus, de acordo com os níveis dados ao ensino brasileiro por pais, professores e alunos poderíamos ser comparados à Finlândia, um país europeu rico e com um dos melhores sistemas de ensino do mundo (mas a qualidade finlandesa é real)!

Na realidade...

# 22% dos professores do ensino básico não têm diploma universitário;
# 16% dos alunos brasileiros repetem a primeira série do ensino fundamental;
# 60% dos estudantes chegam ao fim da oitava série (ou nono ano) sem saber interpretar um texto ou efetuar operações matemáticas simples;
# O Brasil está em 52º lugar em ciências e em 53º lugar em matemática em um ranking de 57 países.

Para mudar a realidade, é preciso enxergar-la. Um futuro para o Brasil passa por um bom sistema de ensino no presente, mudar nossa mentalidade e analisar o real de forma clara e objetiva é o primeiro passo para tornar o ensino brasileiro em uma fábrica de cidadãos.

Isso é necessário, isso é nossa missão!

anúncio-texto